Pesquise (Blog, Web)

RESENHANDO: Curta-metragem de HILDA HILST

Curta-metragem de Leandra Lambert - Hilda Hilst
(Publicado na Galeria de resenhas  
Portal da Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro)

Por Jussára C Godinho

 O curta-metragem “A obscena senhora silêncio”, dirigido pela, também, roteirista Leandra Lambert, e produzido pela Universidade Federal  Fluminense, em aproximadamente treze minutos, traz cenas da premiada (Jabuti, entre outros, e homenageada da FLIP - 2018)  e polêmica escritora brasileira Hilda Hilst. A escritora escreveu seu primeiro livro em 1950 e ficou conhecida, depois de escrever uma série de obras consideradas pornográficas, tendo início com a obra “A obscena senhora D”, o que certamente inspirou o título do filme de Lambert.
Ao som exótico (como Hilda) de Claude Debussi, com Prelude, são citados e recitados, durante o filme, trechos da poética de Hilda, encontrados em obras como “Da morte, odes mínimas”, e “A possessa”, primeira obra teatral, entre outras.
 Imagens do filme mostram Hilda sem máscaras, com seus hábitos e sua personalidade ímpar, em cenas trazidas com extrema naturalidade, sem formalidades.
A excelência da fotografia sob a responsabilidade de Marco Aurélio Brandt, bem como imagens e som dirigidas por Alexandre Gwaz, fazem do filme uma obra ímpar, única e original, mesclando-se à obra da escritora e a competência cinematográfica de Lambert.
O curta-metragem, em pequenos recortes conjugados, oportuniza, a quem já conhece Hilda, usufruir de cada pedacinho, sensibilizando-se e construindo sentidos. E para os que ainda não a conhecem, o filme suscita o desejo de conhecer a história de vida e obra dessa grande, inquietante e polêmica escritora brasileira que está incluída entre os melhores escritores do século.
A obra cultural, filmada em mini DV e HI8, em 2002, e finalizada, em 2010, na Casa do Sol, onde Hilda viveu, durante 40 anos, em Campinas (SP), produzida em homenagem a ela e ao escritor José Luiz Mora Fuentes, é realmente um filme que vale a pena ser assistido.





Poesia para crianças

Publicado no ARTISTAS GAÚCHOS
http://www.artistasgauchos.com.br/
Por Jussára C Godinho¹

“Poesia para crianças – conceitos, tendência e práticas”, organizado por LEO CUNHA e publicado pela Editora PIÁ, é um livro que faz parte do acervo do Programa Nacional Biblioteca da Escola – PNBE do Professor 2013.
O livro reúne, em suas 149 páginas, várias obras de apoio pedagógico, as quais possibilitam ao leitor um “passeio” pelos caminhos do lúdico, do lírico, do carnavalesco que abrigam a Poesia Infantil.  Caminhos, esses, que nos fazem crer piamente que a Poesia deve se fazer presente no cotidiano das salas de aula, dos currículos escolares e da vida das crianças e adolescentes, ela, milagrosamente, abre as portas da sensibilidade e da curiosidade, imbuídas na alma humana.
“O que é a Poesia Infantil, qual o seu lugar na Literatura Infantojuvenil, quais seus elementos constitutivos, seus impasses e seus progressos? As respostas a essas questões são apresentadas pelos cinco renomados autores que compõem os capítulos deste livro: Angela Leite de Souza e “Alguns dedos de prosa sobre poesia”; Carlos Augusto Novais e “elementos de composição poética: noções básicas”; Leo cunha e “O livro de poesia infantil: desafios e tendências”; Gláucia de Souza e “Procurando o poema na sala de aula;  Maria Antonieta Antunes Cunha e “Mergulhando nos textos poéticos” e “Seleção de títulos: como construir acervos e outras orientações”.
Em “Alguns dedos de poesia”, Ângela aborda questões sobre pedagogia e poema, poesia e poema, criança e poesia, poesia para criança.
Carlos conceitua elementos de construção poética: verso, métrica, ritmo, rima, estrofe; jogos sonoros, tais como aliteração, assonância, trocadilho, trava-língua, onomatopeia, paronomásia.  As formas poéticas, dentre as quais o acalanto, a trova, o haikai são lembradas, bem como as figuras de linguagem.
Leo por sua vez, em “O livro de poema infantil: desafios e tendências” fala diretamente aos professores e aponta alguns dilemas enfrentados pelo livro de poesia infantil.  Compara a poesia infantil a um cubo mágico - metáfora criada por ele e usada nas mesas redondas sobre o assunto – para mostrar que a poesia é múltipla, tem vários lados: o lírico, lúdico, ritmo, jogo de palavras e sentidos, a musicalidade, sonoridade, plasticidade das letras, o aspecto visual do poema.
Atividades que envolvem percepção, discussão e criação são explicitadas por Gláucia de Souza em “Procurando pelo poema na sala de aula”.
Maria Antonieta Antunes Cunha em “Mergulhando nos textos poéticos” propõe um estudo ao professor, no qual são envolvidas leituras para a intuição, fruição em voz alta. E a autora finaliza o livro com uma “Seleção de títulos: como construir acervos e outras orientações”.
“Poesia para crianças”, organizado pelo mineiro premiadíssimo Escritor-Poeta-Professor-Mestre-Doutor Leo Cunha², é um livro que, mesmo sendo dirigido aos professores e educadores, pode e deve ser lido por qualquer leitor, pois apresenta um tema sério e relevante - com respaldo teórico, manifestado em ampla e atualizada bibliografia - numa linguagem leve e acessível a qualquer pessoa interessada sobre o assunto.

Recomendadíssimo!

1.Licenciada em Letras Português e Espanhol-Especialista em Leitura e Produção Textual-Funcionária Pública-Professora.

2. Graduado em Jornalismo-Especialista em Literatura Infantil- Mestre em Ciência da Informação-Doutor em Artes e Cinema-Professor Universitário-Escritor (50 livros)-Poeta-Tradutor. Prêmios: João de Barro, Jabuti, Nestlé, FNLIJ.





Dicionário Bibliográfico Escritores da Região de Colonização Italiana no Nordeste do RS

Por Jussára C Godinho

(Publicado em Artistas Gaúchos -2008)

O Dicionário Bibliográfico Escritores da Região de Colonização Italiana no Nordeste do Rio Grande do Sul, organizado por Cecil Jeanine Albet Zinani, Mestra e Doutora em Letras; Lisana Teresinha Bertussi, Mestra em Teoria da Literatura, Doutora e Pós-Doutora em Letras; e Salete Rosa Pezzi dos Santos, Mestre em Letras e Doutora em Literatura Comparada – professoras e pesquisadoras da UCS, organizadoras, co-organizadoras e autoras de obras de considerável relevância – nos traz a oportunidade de conhecer todos os escritores da região de colonização italiana do Rio Grande do Sul, desde suas origens até o ano de 2005.

Com o apoio de vários pesquisadores sobre o assunto, entre eles, o professor Rafael Luís Poletto, que se destacou como um dos colaboradores especiais, as autoras deram origem a esta obra, importante fonte de conhecimento histórico e de pesquisa, principalmente, para escolas e universidades.

Compilado com muito critério e responsabilidade, o Dicionário é um livro onde podemos encontrar dados bibliográficos e biográficos de cada autor dos 46 municípios da região.

Além das renomadas autoras, o Dicionário conta com o envolvimento de pessoas e entidades conceituadas dentro da área da Literatura: Departamento de Letras do Centro de Ciências Humanas e Artes, Coordenadoria de Pesquisa da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa da Universidade de Caxias do Sul; Secretarias de Educação e Cultura dos municípios da região; Associação dos Municípios da Encosta Superior do Nordeste (AMESNE); Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio Grande do Sul (FAPERGS); EST Edições; e a Professora Doutora Regina Zilberman, que faz uma belíssima apresentação do livro, na qual salienta a relevância da pesquisa, lembrando, inclusive, de Dicionários de porte, já existentes, como “Biblioteca lusitana”, organizado por Abade Diogo Barbosa Machado e trabalhos de autores contemporâneos como Afrânio Coutinho e Heloísa Buarque de Holanda.

O Dicionário Bibliográfico Escritores da Região de Colonização Italiana no Nordeste do Rio Grande do Sul conta com páginas de “advertência para leitores”, fornecendo informações detalhadas e explicativas, esclarecendo as convenções utilizadas para a definição de gênero, obras, abreviaturas, siglas, facilitando, assim, a compreensão do leitor.

A Professora Doutora Lisana Bertussi, uma das autoras, introduz o assunto, falando sobre a importância das manifestações artístico-culturais para configurar a história da literatura de uma região, inserida na própria história.

De “A a Z”, encontramos organizadamente, seguindo as características de dicionário, cada verbete (sobrenome do autor), salientado de maneira clara e visualmente agradável, acompanhado da biografia e bibliografia completa: cidade natal, filiação, profissão, escolaridade... Enfim, tudo de relevante, conforme a pesquisa, sobre a vida de cada um deles.

No final do livro, após a bibliografia consultada, é apresentada uma planilha cronológica dos escritores da Região de Colonização Italiana e suas obras, extremamente bem elaborada e esteticamente favorável à visualização, facilitando a pré-leitura e a pesquisa rápida.

Um livro como o Dicionário Bibliográfico Escritores da Região de Colonização Italiana no Nordeste do Rio Grande do Sul, que registra a história dos autores e suas obras dos 46 municípios da região, é uma contribuição incomensurável para a construção da história da literatura regional, da nossa história.

Durante a leitura, nos deparamos com nomes consagrados, como o de José Clemente Pozenato, Ítala Nandi, Oscar Bertholdo, Ari Trentin, Fabrício Carpinejar. E outros conhecidíssimos: Demétrio Niederauer, Lia Rosa Reuse, Jayme Paviani, Marô Barbieri, Lisana Bertussi, Heloísa Feltes, Ademir Antônio Bacca, Flávio Luís Ferrarini, Nelly Veronese Mascia, Loraine Giron, Mônica Montanari, Eduardo Festugatto, Gilmar Marcílio, entre inúmeros existentes. Mas encontramos, também, pessoas que nem de longe imaginaríamos, como até mesmo alguns ex-colegas, amigos e conhecidos.

O Dicionário Bibliográfico dos Escritores da Região de Colonização Italiana é um livro valioso por se tratar de um dos poucos, senão o único, a compilar a história dos escritores da região com correção das informações, coerência metodológica e objetividade na apresentação.

É recomendada a sua leitura a todas as pessoas, para o conhecimento da história da literatura da região nordeste gaúcha, e, obrigatória, a todos os professores, historiadores, literários, universitários e estudantes de todas as áreas, por ser uma obra original, de relevância histórica e de referência a futuros estudos sobre o assunto.

Nenhum comentário: